Terapia Cognitiva Comportamental

Rivaldo Neri segue uma orientação teórica e prática a partir da Terapia Cognitiva Comportamental

Na Terapia cognitivo-comportamental (TCC). O foco está na Cognição que diz respeito ao conhecimento, raciocínio e pensamento.

Como funciona a psicoterapia TCC?

Terapia cognitivo-comportamental (TCC) trata-se de uma terapia breve, pois focaliza-se em um número de sessões reduzidas.  Na prática, o terapeuta ensina métodos de modo que o paciente/cliente possa resolver os seus problemas atuais e evitar problemas futuros. Esses métodos têm sido testados por diversas vezes em estudos científicos realizados nos maiores centros universitários no mundo inteiro.

Qual a teoria que embasa os métodos da Terapia cognitivo-comportamental (TCC)?

A TCC parte do princípio central de que nossas cognições (pensamentos) influenciam sobre nossas emoções e ações comportamentais. Compreende-se que os comportamentos afetam os pensamentos e emoções.

Desse modo, a TCC traz como linha padrão dois princípios centrais que sustentam a terapia: 1. Nossas cognições têm influência controladora sobre nossas emoções e comportamento e; 2. O modo como agimos ou nos comportamos pode afetar profundamente nossos padrões de pensamento e nossas emoções. WRIGHT, BASCO & THASE (2008).

A Terapia Cognitiva Comportamental parte do pressuposto de que na inter-relação entre cognição, emoção e comportamento encontra-se a compreensão do funcionamento normal do ser humano. Assim, um dos objetivos da TCC é a correção dos pensamentos disfuncionais.

Na TCC busca-se identificar e avaliar as crenças nucleares. Essas crenças são as nossas ideias e conceitos enraizados e fundamentais acerca do que acreditamos e que moldam nosso comportamento.

Em termos gerais, a TCC se apresenta como uma técnica reeducativa bastante eficiente nos tratamentos da depressão e transtornos de ansiedade, também apresenta resultados satisfatórios como apoio aos tratamentos psiquiátricos, uma vez que muitos pacientes sofrem os efeitos colaterais a medicamentos.

O modelo Cognitivo Comportamental tem a seguinte estrutura:

Evento -> Avaliação Cognitiva -> Emoção -> Comportamento

De Acordo com Leahy (2006), “o modelo da terapia cognitiva baseia-se na visão de que estados estressantes como depressão, ansiedade e raiva frequentemente são mantidos ou exacerbados por maneiras de pensar exageradas e tendenciosas”. Assim, a proposta do terapeuta é ajudar ao paciente nesse processo de reorganização do pensamento, de modo que este reconheça seu estilo idiossincrático e tenha condições de modificar seus pensamentos pela aplicação da evidência e da lógica. Leahy (2006)

Como o terapeuta ajuda o cliente?

Na Terapia cognitivo-comportamental (TCC), a missão do terapeuta é proporcionar ao paciente/cliente maneiras de enxergar suas crenças (= ter conhecimento, consciência), os prejuízos que elas possam causar e a desfazer esses pensamentos distorcidos. Dessa forma, o paciente/cliente aprende a corrigir o pensamento distorcido que julgava ser infalível.

Como corrige? Colocando em evidências reais essas crenças, validando-as ou não. Assim, ao serem encontradas falhas nessas crenças, serão substituídas por pensamentos mais assertivos, mais favoráveis à qualidade de vida emocional. É função do terapeuta ajudar o paciente/cliente a ir nas raízes dessas crenças, e fazer-lhe enxergar pensamentos irrealistas/distorcidos, os comportamentos destrutivos e a comunicação inadequada.

Qual o objetivo da Terapia cognitivo-comportamental (TCC)?

É comprovar através de técnicas que os pensamentos distorcidos/automáticos do cliente estão ligados a emoções e como estas são originadas das crenças aprendidas, que, por sua vez, se originaram de falhas no processamento de informações. A Terapia cognitivo-comportamental (TCC) reeduca o cliente. Ele aprende a processar adequadamente as informações.

As ferramentas do terapeuta da TCC

Entrevistas, formulários para coletar informações, questionários, exercícios e tarefas. Os exercícios servem para trazer à tona as crenças básicas e mostrar ao cliente/paciente sobre o que elas causam.

Princípios básicos da TCC – de acordo com Judith Beck

Aliança terapêutica;

Ênfase na colaboração e participação ativa;

Orientada para objetivos e focada nos problemas;

Ênfase no presente (aqui e agora);

Função educativa, cujo fundamento é ensinar ao paciente a ser seu próprio terapeuta;

Sessões estruturadas;

Ensina aos pacientes a identificar, avaliar e responder aos seus pensamentos e crenças disfuncionais;

Faz uso de um número diverso de técnicas para mudar o pensamento, o humor e o comportamento.

Quantas sessões de psicoterapia serão necessárias?

Cada pessoa é um ser único, por essa razão, cada caso é um caso especial. No entanto, sugere-se um número entre 10 a 20 sessões, podendo ser ampliado conforme a necessidade da terapia.

Rivaldo Neri de Araújo – inscrito no CRP – 01/19675